Desenvolvimento Humano

Millennials: 4 desafios que eles trazem para o mundo dos negócios

Não é segredo para ninguém que a geração millennials está cada vez mais ativa no mercado, certo? Mas apesar de oferecer diversas vantagens para os negócios, ela traz alguns desafios que precisam ser superados para garantir o bom desenvolvimento das organizações.

Eu bem sei que trabalhar com pessoas não é uma tarefa muito fácil, principalmente quando existem gerações diferentes desempenhando diversos papéis dentro da empresa. Nesse momento, é importante saber lidar com a situação, a fim de encontrar as melhores soluções para o caso.

Pensando em ajudar, escrevi este artigo para mostrar quais são os 4 principais desafios que a geração millennials trouxe para o mercado de trabalho e também quais as oportunidades. Continue comigo e confira os detalhes!

1. Necessidade por ambientes e soluções dinâmicas

Empresas que oferecem soluções e ambientes dinâmicos são as que mais chamam a atenção da geração millennials. Esse tipo de clima organizacional é importante para motivar os funcionários, aumentar a produtividade e melhorar o relacionamento entre eles.

Sendo assim, é de suma importância envolver seus colaboradores nas decisões estratégicas da empresa. Essa prática poderá gerar melhores resultados para o seu negócio, pois o engajamento se tornará mais natural, fazendo com que todos os colaboradores possam trocar ideias e informações visando sempre o bom desenvolvimento da empresa.

2. Cultura organizacional que adota a diversidade

Um fato curioso sobre os millennials é que eles levam em consideração se a empresa tem uma cultura organizacional que preza pela diversidade e inclusão. Acredito que eles observam muito essa questão porque são considerados a geração mais diversificada que já existiu.

O entusiasmo com suas filosofias e políticas está enraizado em suas personalidades, tornando essa característica natural. Dessa forma, se você pretende atrair ou reter os millennials em sua organização, é importante começar a pensar em programas e incentivos que apoiem a diversidade e inclusão.

3. Necessidade de crescimento

Millennials precisam de estímulos para melhorar a sua capacitação, pois estão sempre em busca do desenvolvimento constante, a fim de alcançar cargos melhores dentro da empresa. Sendo assim, a organização que não investe nesses quesitos está fadada a perder seus talentos para os concorrentes.

Investir no crescimento de seus colaboradores faz com que eles se dediquem mais ao trabalho. Nesse momento, ideias revolucionárias podem surgir, as quais poderão melhorar os resultados da organização.

4. Ênfase na qualidade de vida

Acredito que todas as pessoas almejam uma qualidade de vida melhor, certo? Assim sendo, é fundamental que a empresa tenha uma gestão de benefícios eficiente, fazendo com que seus colaboradores se sintam motivados a permanecer nela.

A geração millennials presta muita atenção nesse detalhe. Essas pessoas dão preferência a empresas que demonstram preocupação com o bem-estar de seus funcionários. Essa prática os mantêm engajados com a sua visão, pois dessa forma eles sentem que a organização os valoriza.

Os millennials não estão impactando apenas o mercado de trabalho, mas também têm mudado o comportamento de consumo. E esse é outro fator ao qual você deve ficar atento. Pesquisas já revelaram que 74% desse tipo de consumidor realiza pesquisas online antes de tomar qualquer decisão de compra — fato que não acontecia antigamente.

Levando tudo isso em consideração, reflita sobre a importância em gerir diversas faixas etárias na força de trabalho da sua empresa. Com tanto conhecimento agregado e inovação, o seu negócio só tem a ganhar.

Gostou do meu artigo? Então aproveite a oportunidade para compartilhá-lo nas redes sociais e ajudar mais pessoas a superarem os desafios que os millennials trazem para o mundo dos negócios!

Read More...

Desenvolvimento Humano, Empreendedorismo

Conheça 4 ferramentas de gestão de tempo para a sua equipe

Quer uma dica para aumentar a produtividade da sua equipe? Veja como ela tem organizado as horas de trabalho. Eu sei que nem sempre é fácil conseguir gerir o seu tempo e o dos colaboradores, por isso trago uma superdica para você: as ferramentas de gestão de tempo.

Um dos principais problemas que eu vejo na gestão do tempo é culpa da desorganização das tarefas. O que costuma acontecer é a perda de um prazo ou deixar de fazer porque nem nos lembramos da tarefa.

Por isso, selecionei 4 programas que ajudarão você e sua equipe a manter todos os projetos e tarefas em dia. Preparado?

1.Trello

Se você e sua equipe também passam pelo problema que eu descrevi acima, o Trello pode ser a solução, já que ele é uma ferramenta cheia de funcionalidades. Além de organizar as tarefas, o Trello permite delegá-las e definir prazos de entrega.

Por ser uma ferramenta bastante visual, você consegue acompanhar com facilidade as atividades em andamento, as que foram concluídas e aquelas que ainda serão iniciadas. É possível acompanhar, ainda, a porcentagem de conclusão de cada tarefa. Portanto, chega de atrasos e retrabalhos. A boa notícia é que a maioria das funções está acessível na versão gratuita.

2. Runrun.it

Também entre as ferramentas de gestão de tempo e tarefas mais utilizadas nas empresas, temos o Runrun.it. Ele é ainda mais útil no controle do tempo, pois disponibiliza recursos de contagem de tempo para realizar a tarefa e identifica o que é necessário para iniciar ou entregá-la.

Outro ponto positivo é que o Runrun.it também traz indicadores de produtividade, e você até pode dar medalhas para os membros da sua equipe que se destacaram. Além de gerir o tempo, você também criará uma motivação a mais no seu time.

Como é uma ferramenta cheia de recursos para gerenciamento de tempo, projetos e tarefas, o Runrun.it é indicado para organizar tanto o trabalho de equipes menores quanto de negócios com mais colaboradores. Há um período de teste que dura 14 dias. Depois, você pode optar por um dos planos disponíveis, Team ou Corporate.

3. Artia

Outra ferramenta queridinha que garante o aumento da produtividade e gestão de tempo da equipe é o Artia. Ele possui, entre outras funcionalidades, um sistema para o apontamento de horas que calcula o tempo trabalhado nas atividades e nos projetos e emite um alerta no caso de atrasos na execução ou entrega do trabalho.

O Artia ajuda, ainda, a identificar onde o tempo tem sido investido e a medir a eficiência da equipe. A versão está em português, e você e sua equipe podem realizar um teste gratuito por 10 dias.

4. Toggl

Por último, deixo a dica de uma ferramenta gratuita para a gestão do tempo. O Toggl tem um cronômetro que o ajuda a calcular o tempo gasto para realizar cada tarefa — basta acioná-lo ao iniciar a atividade.

Por isso, a ferramenta é ótima para ajudar o seu trabalho na gestão da equipe. Como o Toggl oferece gráficos sobre o tempo gasto nas tarefas, você pode observar como anda o rendimento do seu time e pensar em estratégias para otimizar ainda mais a produtividade.

Com essas 4 ferramentas de gestão de tempo, você e sua equipe manterão a produtividade a todo vapor. E nem precisa agradecer, viu! Basta compartilhar este artigo nas redes sociais e ajudar seu amigos com nossas dicas. Até a próxima!

Read More...

Desenvolvimento Humano, Empreendedorismo

Empowerment: entenda o que é e como aplicar!

Tenho certeza que o sonho de todos os gestores é ter uma equipe cheia de iniciativa, oferecendo soluções criativas, rápidas e eficazes no trabalho. Mas sei que na realidade não é bem assim. A boa notícia é que trago a solução para resolver esse problema: o empowerment.

O nome é complicado, mas o conceito é simples e pode trazer ótimos resultados na cultura organizacional da sua empresa. Eu conto mais sobre o assunto a seguir e mostro como implementar em seu negócio. Confira!

O que é empowerment?

É um conceito de gestão com foco na descentralização das tarefas a partir do empoderamento da equipe.

Ao permitir que os funcionários tenham autonomia e participação na gestão e decisão da empresa em diferentes níveis, o empowerment contribui significativamente para o aumento da produtividade e qualidade do trabalho.

Como funciona?

Ele se baseia em 4 princípios: poder, motivação, desenvolvimento e liderança. Resumidamente, na gestão de empoderamento você precisa aprender a delegar tarefas e responsabilidades em todos os níveis do negócio. Mas não é apenas isso.

A motivação serve como outra forma de reconhecimento do bom trabalho dos seus funcionários. Já o pilar do desenvolvimento diz respeito à necessidade de capacitação contínua da equipe, enquanto a liderança propõe a descentralização das decisões.

Quais são os benefícios?

Separei aqui as principais vantagens da adoção desse modelo de participação colaborativa, olha só:

  • aumenta a autoconfiança da equipe;
  • melhora a produtividade;
  • garante agilidade na tomada de decisões;
  • amplia o senso de cooperação;
  • instiga proatividade;
  • auxilia na descoberta, valorização e retenção de talentos.

Como aplicar o empowerment?

Nem todos os gestores são centralizadores porque querem. Às vezes, o problema é falta de tempo e de conhecimento em gestão de pessoas. Pensando nisso, separei quatro dicas para você aplicar o empowerment em sua empresa.

1. Melhore a comunicação organizacional

Esqueça aquele modelo de comunicação de cima para baixo, baseado no “fala quem pode, obedece quem tem juízo”. Você, gestor, pode ter uma experiência maior sobre o assunto, mas precisa saber ouvir.

Crie canais para que a equipe possa deixar suas ideias, sugestões e observações sobre o que acontece na empresa. Ajude seus funcionários a perceberem que são ouvidos, mesmo quando você optar seguir por um caminho diferente do sugerido.

2. Reconheça o trabalho bem feito

O pagamento de um profissional não se baseia apenas no salário. Os maiores talentos costumam reconhecer que o nível de satisfação do trabalho executado é tão importante quanto a estabilidade financeira.

Então, mostre à sua equipe que você reconhece o trabalho desempenhado. Valorize a participação dos funcionários na tomada de decisões, não tenha vergonha de dizer “obrigado” ou celebrar uma tarefa bem executada.

3. Incentive a opinião da equipe

Profissionais que têm um gestor que condena qualquer sugestão mesmo antes de ser testada normalmente realizam um trabalho mediano. Evitam qualquer sugestão inovadora que pode trazer melhores resultados simplesmente por medo de desagradar o gestor.

Permita que seus funcionários tenham a oportunidade de apresentar soluções diferentes daquelas que você costuma adotar. Crie um ambiente que preza pelo sucesso, mas que também reconhece as falhas como uma oportunidade de crescimento.

4. Compartilhe sua visão do negócio

É o velho conceito de vestir a camisa que mais uma vez se mostra bem eficaz na prática dos negócios. Os melhores gestores sabem compartilhar as informações sobre a empresa de modo estruturado e consistente.

Quando você age assim, a equipe consegue entender claramente os valores, a missão e a visão da empresa e, consequentemente, começa a trabalhar de modo a atingir esses objetivos.

Lembrando que o empowerment é um processo que causa um grande impacto na cultura organizacional. Por isso, vá aplicando essas estratégias aos poucos e espere os resultados com calma, ok?

Agora quero saber o que você achou do empowerment. Já conhecia esse modelo de gestão de pessoas? Quero ver a sua opinião aqui nos comentários!

Read More...

Desenvolvimento Humano, Empreendedorismo

Conheça o impacto da cultura organizacional no sucesso da empresa

Você pode nunca ter reparado, mas saiba que a sua empresa dispõe de um elemento fundamental no sucesso dos negócios: trata-se da cultura organizacional, que está presente no DNA de qualquer grupo empresarial — de pequeno, médio ou grande porte.

Mas, o que é isso? Neste post, vamos conversar um pouco mais sobre a cultura organizacional e sobre como ela influencia tudo o que ocorre na sua empresa, desde os processos mais rotineiros até o fechamento de negócios estratégicos.

O que é cultura organizacional?

Toda empresa tem um DNA, que está ligado a diversos fatores. O primeiro, e talvez mais importante deles, é justamente a sua identidade como empresário. Os valores que você trouxe como cidadão, ao fundar a sua empresa, definem o modo de atuação dela no mercado e também a maneira como a sua equipe percebe e identifica-se com todos os processos internos.

Portanto, a cultura organizacional é a identidade da empresa. Trata-se daquilo que a define e da forma como ela é vista, tanto de fora quanto de dentro.

Como definir a cultura organizacional?

Em geral, a cultura da organização se forma naturalmente. Se você tem dificuldades para enxergar qual é a identidade da sua empresa, vale ficar atento aos seguintes fatores:

Posicionamento diante do mercado

A forma como a sua empresa se posiciona perante seus concorrentes e clientes dá indícios claros de qual é a sua cultura. Ela pode ser mais agressiva, mais conservadora ou mais moderada. Mas sempre será a melhor forma de definir a sua cultura organizacional.

Políticas internas

Políticas de comunicação, tecnologia, vestuário e gestão de pessoas estão entre aquelas que ajudam na definição da cultura. Isso porque trazem normas de conduta que, em geral, apontam para a identidade da empresa e para a forma como você, como empresário, deseja que seus negócios sejam conduzidos.

Normas de recrutamento

Geralmente, as empresas definem um perfil padronizado para a sua equipe de trabalho. Esse perfil está diretamente ligado à cultura organizacional. O ideal é trabalhar com colaboradores que tenham mais facilidade em aderir aos planejamentos, metas e objetivos da organização.

Definições sobre produtos e serviços

O que você negocia e a forma como negocia estão intimamente relacionados à cultura organizacional da sua empresa. A política de produtos e serviços segue o DNA da companhia em todos os seus aspectos.

Como a cultura organizacional afeta o trabalho das pessoas?

Como já foi dito, a cultura organizacional define a maneira como a equipe de trabalho deve se portar. E isso se dá não apenas na rotina do dia a dia, mas na execução do planejamento estratégico. Afinal de contas, a forma como a organização pretende atingir suas metas dá o tom do esforço e do trabalho de cada um e esse é um retrato perfeito da cultura organizacional.

E aí, viu só como a cultura organizacional é fundamental para o seu negócio? Se este post tiver sido útil para você, compartilhe-o com seus amigos, nas suas redes sociais, e ajude mais pessoas a entenderem a importância desse conceito determinante para a sustentabilidade das empresas!

Read More...

Desenvolvimento Humano, Destaque

Entenda os principais erros de liderança que não devem ser repetidos

Sempre recebo inúmeros pedidos de dicas sobre como ser um bom líder e hoje resolvi falar sobre esse tema, porém, escolhi fazer isso sob um prisma diferente: em vez de listar novas ações a serem realizadas, resolvi listar erros que, ao serem eliminados, favorecerão para a formação de um líder mais capacitado. Abaixo, coloquei os principais erros de liderança e os motivos para não repeti-los:

1. Não buscar uma comunicação adequada com os seus colaboradores

Bom, resolvi colocar esse tópico porque além de ser bastante rotineiro, ele engloba várias ações que realmente são bastante prejudiciais para o bom andamento da empresa. Sempre ressalto a importância de se ter uma boa comunicação interna.

Líderes que são inacessíveis, que não escutam os seus colaboradores, que explicam tarefas para sua equipe de forma superficial, que não dão feedback sobre o que está bom e o que precisa ser melhorado, são exemplos de uma comunicação inadequada que pode gerar muitos problemas para a empresa como: desmotivação dos funcionários, erros na execução de tarefas e estratégias falhas.

2. Confundir autoridade com autoritarismo

Essa é uma confusão que vejo ocorrer na prática com muita frequência, pois liderar uma equipe exige delegar tarefas e cobrar resultados, o que faz com que muitos gestores se percam e acabem se excedendo.

Para mim, um bom líder deve ser uma autoridade, naturalmente, ao demonstrar conhecimento sobre o assunto, ao ter resiliência para superar os desafios diários e o que eu considero mais importante: ser fonte de inspiração para a sua equipe, afinal liderar pelo medo só afasta os seus colaboradores, acarreta em queda de produtividade, o que certamente refletirá nos lucros da empresa.

3. Não buscar atualização para si e para a sua equipe

Tem uma frase que ouvi uma vez de um amigo e sempre repito quando se fala em alcançar resultados cada vez melhores: o treinamento nunca acaba!

Vejo que muitos líderes, ao chegarem nessa posição, acabam esquecendo de buscar aperfeiçoamento profissional, visto que já estão em uma boa colocação no mercado. Há também aqueles que acabam não compreendendo a importância de manter sua equipe atualizada com as novas tendências da sua área de atuação, o que pode trazer a perigosa sensação de estar parado no tempo e o pior: ver a concorrência atingir resultados melhores.

4. Não manter a sua equipe motivada

É claro que trabalhar em uma empresa legal já é motivador por si só, mas sempre digo que o ser humano tem uma forte tendência ao comodismo, o que faz a rotina muitas vezes ser perigosa e levar à desmotivação.

Cabe ao líder estar atento a isso e encontrar formas de motivar a sua equipe. Com base na minha experiência, posso dizer que uma equipe motivada pode ultrapassar barreiras até então impensáveis,contribuindo de forma significativa para o crescimento da empresa.

Quer estar sempre por dentro de todas as novidades e ler artigos interessantes como esse? Curta a nossa página no Facebook e acompanhe de pertinho todo os conteúdos bacanas que preparamos para você!

Read More...

Desenvolvimento Humano

Contratando e desenvolvendo pessoas em pequenas empresas

As práticas relacionadas ao capital humano passaram a fazer parte do planejamento estratégico de muitas empresas, que identificaram, no potencial de seus profissionais, um grande diferencial competitivo. E é preciso lembrar também que, no Brasil, ainda é possível perceber a falta de investimentos em diversos setores da economia que reforçam a precariedade da infraestrutura e o atraso no uso de novas tecnologias.

Diante desse cenário, a competência e o compromisso tornam-se ainda mais decisivos, já que existe uma forte dependência em relação ao conhecimento e habilidades dos funcionários. Na verdade, em qualquer organização, é fácil perceber a correlação entre a qualidade do capital humano e os resultados obtidos, pois know-how, criatividade e iniciativa são elementos essenciais ao êxito empresarial.

Essa realidade abrange também as pequenas empresas que, apesar das dificuldades, devem atuar diretamente na construção de equipes de alto desempenho. Assim, é fundamental apostar na atração e retenção de talentos, nos programas de desenvolvimento, na elaboração de políticas de remuneração e benefícios e de um plano de carreira. Além disso, ainda é preciso contar com uma liderança eficiente.

Desta forma, as pequenas empresas podem atingir altos índices de motivação, que impactam positivamente na produtividade individual e coletiva.

Nesse post, você vai 09 Continue acompanhando e tenha uma ótima leitura!

Qual a melhor forma de selecionar um funcionário?

Nos últimos anos, os processos de recrutamento e seleção ganharam uma grande importância. Cada vez mais, os gestores reconhecem que essas etapas são essenciais para a formação de equipes eficientes, versáteis e alinhadas a cultura organizacional.

A seleção de colaboradores capacitados e engajados é sempre um desafio, pois há uma série de fatores a serem avaliados que vão muito além do conhecimento técnico. Competências comportamentais e características pessoais completam o perfil do profissional ideal — maturidade, equilíbrio emocional, resiliência, automotivação, persuasão, potencial de liderança e identificação com a empresa, são apenas alguns aspectos importantes.

Desta maneira, a seleção se torna uma tarefa bastante complexa. E para assegurar a qualidade e a assertividade da contratação de funcionários, é adequado seguir algumas recomendações. Veja algumas delas:

Crie uma identidade corporativa

Toda empresa, independentemente do porte, deve criar uma identidade própria, que a diferencie das demais. Para que isso seja possível, é essencial definir claramente a cultura, a missão, os valores e, então, reforçar esses conceitos através das políticas de gestão de pessoas.

A identidade corporativa é responsável pela formação de uma imagem e, por isso, é capaz de atrair profissionais que compartilham os mesmos ideais, facilitando o processo de recrutamento. Assim, é interessante explorar todos os meios de comunicação interna e externa — em especial, as páginas, blogs e redes sociais.

Construa uma boa reputação

A reputação de boa empregadora é determinante para atrair candidatos potenciais. Por isso, é importante investir em uma gestão abrangente, que colabore para um clima organizacional produtivo e para a satisfação dos colaboradores. A humanização costuma ser importante na construção desta reputação, pois envolve o respeito, a transparência e a ética nas relações interpessoais.

Defina o perfil ideal

O primeiro passo para um processo de recrutamento assertivo é a definição do perfil ideal do profissional a ser selecionado. Nesta etapa, é preciso listar fatores básicos, como experiência, conhecimentos técnicos e especializações, bem como as competências comportamentais que serão mais exigidas no dia a dia deste funcionário. Poder de negociação, espírito de equipe, persistência, flexibilidade e liderança são habilidades bastante solicitadas pelo mercado.

Profissionalize o processo de recrutamento e seleção

A profissionalização é necessária para assegurar um processo padronizado. Para as pequenas empresas, é preciso destacar um colaborador para essa tarefa ou mesmo o próprio empresário deve assumir a responsabilidade. Neste caso, é fundamental a preparação, tanto para realizar uma análise curricular adequada quanto para conduzir entrevistas estruturadas.

Há alguns bons testes gratuitos disponíveis na internet para avaliação de perfil dos candidatos, e essa avaliação é muito importante para a comprovação das competências comportamentais. Assim, é possível estabelecer parâmetros reais e eliminar a subjetividade. A pequena empresa pode também contratar os serviços de uma consultoria especializada, garantindo a qualidade do processo. Mas, mesmo com a terceirização da seleção, é fundamental que o empresário participe ativamente da definição do perfil e das entrevistas finais.

Não se prenda a estereótipos

Alguns pré-conceitos podem atrapalhar a escolha de um bom profissional, portanto, é preciso desconsiderar os estereótipos e analisar o potencial do candidato. Vale a pena lembrar que é mais fácil treinar habilidades do que treinar o caráter. Por isso, é interessante apostar na heterogeneidade das equipes, através da contratação de colaboradores multidisciplinares, com interesses diversos e grande capacidade de adaptação.

Por que melhorar o ambiente de trabalho?

O clima organizacional tem reflexos nos níveis de satisfação e motivação dos funcionários, por isso, também tem grande influência na produtividade das empresas. Deste modo, é essencial adotar práticas que assegurem a construção e a manutenção de um ambiente de trabalho colaborativo e que agregue real valor.

Conheça agora algumas dicas para melhorar o clima e o desempenho das equipes:

Exerça uma liderança positiva

Uma boa gestão é extremamente importante para o sucesso dos negócios e também para o ambiente de trabalho. Para tanto, é preciso considerar a presença do líder, capaz de adotar uma atitude positiva, próxima aos colaboradores, transmitindo otimismo, entusiasmo e segurança.

Bom humor, gentileza, meritocracia e coerência também fazem parte desta gestão, bem como o incentivo a participação, a troca de ideias e sugestões, sempre com foco em soluções e alternativas inovadoras.

Invista na comunicação

A qualidade da comunicação é fundamental para a integração das equipes. Cabe às empresas compartilhar informações sobre o mercado, concorrentes, dificuldades, projetos e, principalmente, sobre os desafios futuros. Essa prática fortalece a relação de confiança entre o líder e seus colaboradores.

Respeite as diferenças e valorize as competências

O clima interno depende também do comportamento dos gestores e dos membros das equipes, principalmente em relação ao respeito às diferenças e à valorização das competências. Por isso, é preciso atentar para sinais de descriminação, assédio e bullying, que são condutas extremamente nocivas ao ambiente corporativo.

Defina políticas de remuneração e benefícios

As políticas de remuneração e benefícios são importantes para esclarecer quais são os critérios que norteiam as decisões sobre questões salarias ou promoções internas. Essa transparência evita injustiças, causadoras da desmotivação. Um bom plano de carreira e salários pode, inclusive, encorajar os profissionais a buscar mais qualificação e experiência, a fim de conquistarem novas oportunidades dentro da empresa.

Faça pesquisas de clima organizacional

A pesquisa de clima organizacional é um importante recurso para mensurar se os funcionários estão realmente motivados e engajados. Por meio das respostas, é possível identificar quais são os pontos fortes da gestão e as práticas que devem ser aprimoradas.

Treinamento de funcionários: é hora de investir!

Programas de treinamento devem estar entre as prioridades das pequenas empresas. Mas, para que sejam realmente eficientes, é preciso elaborar um plano de desenvolvimento individual, de acordo com as necessidades do negócio e com o perfil de cada funcionário.

É importante considerar as operações e processos críticos, a chegada de novas tecnologias, lacunas ou monopólios internos de conhecimento, os valores e a cultura da empresa e as competências comportamentais mais demandadas. Essa personalização garante melhores resultados e profissionais mais satisfeitos e preparados.

De modo complementar, o empresário deve adotar a prática do feedback, com foco no crescimento do time. As conversas francas servem para reconhecer o empenho e o talento, mas também para esclarecer expectativas, orientar e corrigir desvios.

Confira algumas razões para investir no treinamento dos colaboradores:

Vantagem competitiva

Equipes qualificadas são responsáveis pela maior vantagem competitiva que uma empresa pode ter. A capacitação do capital humano interfere diretamente nos resultados finais, através do conhecimento, do desempenho e da excelência.

Qualidade e produtividade

Um treinamento eficiente é aquele que tem poder transformador, capaz de levar os funcionários, equipes e gestores a um outro nível de atuação. Deste modo, há mudanças significativas em indicadores de qualidade e produtividade, como na incidência de falhas e retrabalhos, atrasos nas entregas, obediência aos prazos, redução de custos operacionais e faturamento.

Processos mais eficientes

A qualificação permite que as equipes sejam mais questionadoras, aptas a analisar as rotinas diárias, identificando problemas, gargalos e atividades que não agregam valor.

Assim, também é possível encontrar oportunidades de melhoria, racionalização de recursos e eliminação de desperdícios, criando processos ainda mais eficientes.

Índices de satisfação do cliente

Com a melhoria da qualidade dos principais processos internos, é possível conquistar altos índices de satisfação e fidelização dos clientes. Reputação e credibilidade são influenciadas pelo atendimento, disponibilidade de produtos e preço, mas também pela proatividade, agilidade e conhecimento técnico das equipes.

Inovação e criatividade

Os programas de treinamento devem incentivar a criatividade, a inovação e a busca por novas respostas e possibilidades para o negócio. Porém, esse comportamento deve ser suportado por um ambiente de trabalho que encoraje novas ideias.

Neste sentido, ações para manter a equipe atualizada, como a distribuição de artigos e textos interessantes, o brainstorming, o acesso a palestras online e e-learning são importantes para reforçar essas duas competências, essenciais para a competitividade das pequenas empresas.

Motivação e engajamento das equipes

Equipes bem treinadas também são mais motivadas e engajadas. Isso acontece pois, quando a empresa elabora um programa de treinamento, reforça a gestão que valoriza o indivíduo, suas competências e talentos. Assim, é possível construir uma relação “ganha-ganha”, saudável e produtiva.

O que tenho a ganhar com a motivação dos meus funcionários?

A motivação pode ser entendida como a dose de energia que nos coloca em movimento, que nos incentiva a superar obstáculos e a vencer desafios. Por outro lado, a falta desta energia, causa apatia, desânimo, desinteresse e faz do profissional um simples executor de tarefas, restringindo seu potencial e desempenho.

Por isso, é importante que as empresas elaborem estratégias que garantam a motivação de seus funcionários. Conheça agora alguns segredos para manter uma equipe motivada:

Ofereça condições favoráveis de trabalho

As condições de trabalho também têm influência na motivação da equipe e, por isso, é preciso oferecer ambientes sadios e seguros, de acordo com as regulamentações previstas na legislação trabalhista. É necessário também cuidar do layout, da iluminação e da climatização dos espaços, sempre com a intenção de propiciar conforto e bem-estar.

Além disso, as pequenas empresas devem investir em tecnologia e infraestrutura, para que os funcionários possam exercer suas funções com excelência.

Aprenda a delegar responsabilidades e autoridade

A motivação está atrelada à necessidade de reconhecimento e autonomia, por isso, a delegação é indispensável. Essa prática colabora para o crescimento profissional da equipe, oferecendo novas experiências, responsabilidades e autoridade, e, assim, deve estar baseada na meritocracia. Porém, o gestor precisa supervisionar e orientar os profissionais para que os resultados sejam realmente positivos.

Conceda benefícios diferenciados

Os benefícios são sempre importantes para a estratégia de atração e retenção de talentos. Neste caso, as pequenas empresas devem analisar o perfil de seus colaboradores e, então, definir uma carteira atraente. Parcerias com academias, assessorias esportivas e restaurantes, além de bolsas de estudo para idiomas e universidades são boas iniciativas, bem como ofertar a possibilidade de horário flexível e home office.

Uma dica interessante é permitir que o próprio funcionário escolha seus benefícios dentro de um portfólio predeterminado pela empresa. Assim, há mais chances de garantir a satisfação de todos.

Crie um sistema de recompensas

Os sistemas de recompensa são ótimas alternativas para incentivar o desempenho diferenciado das equipes. Normalmente, estão vinculados a metas atingidas ou superadas, e quando essas metas são coletivas, também é possível estimular o trabalho em equipe. Prêmios financeiros, presentes, viagens ou dias de folga são bons exemplos de recompensas para funcionários.

Celebre conquistas e datas importantes

Outra ação com foco na motivação dos funcionários é organizar eventos internos para celebrar conquistas da equipe e datas importantes para a empresa. Esses encontros favorecem a coletividade e os relacionamentos.

Conclusão

A qualidade do capital humano é essencial para o sucesso dos negócios, principalmente nas pequenas empresas. Na verdade, os profissionais devem ser encarados como o principal elemento da estratégia corporativa, pois todas os processos e rotinas dependem dos funcionários. Dessa forma, a preparação, a qualificação e a competência dos times são variáveis que influenciam fortemente no resultado final.

Dessa forma, a atração e retenção de talentos, a profissionalização dos processos seletivos, o desenvolvimento dos funcionários, as ações direcionadas à satisfação e à motivação internas são fundamentais para a construção de equipes de alta performance, capazes de solucionar problemas, encontrar possibilidades e garantir a longevidade dos negócios.

Read More...