Destaque, Finanças e Tributos

Gestão de compras: entenda como fazer na sua empresa

Você sabia que a gestão de compras tem uma função muito importante dentro da empresa? Pois bem, confesso que eu também não conhecia a sua importância até enfrentar algumas dificuldades por causa da falta de conhecimento.

Na verdade, essa ferramenta é fundamental para garantir o bom desempenho da empresa. Por meio dela você conseguirá controlar melhor o seu estoque e outros setores dentro da organização, além de gerir os seus produtos conforme a necessidade do seu time de vendas. Incrível, não é mesmo?

E aí, quer colocar em prática uma gestão de compras eficiente em seu negócio? Então não deixe de conferir essas dicas que separei especialmente para você. Acompanhe!

Realize um planejamento estratégico

É preciso fazer um planejamento estratégico apenas para decidir o que se vai comprar? É claro! Esse passo é importante para que você consiga traçar o melhor caminho para a sua gestão de compras.

Dessa forma, será possível identificar gargalos que podem estar comprometendo o bom desenvolvimento de suas finanças. Você terá uma visão mais ampla do seu negócio, avaliando os seus fornecedores, as mercadorias que são mais procuradas etc.

Estabeleça quais serão os seus objetivos

Para alcançar resultados positivos, você precisa saber onde quer chegar, certo? Ao definir seus objetivos, será possível fazer com que a sua equipe consiga trabalhar mais focada — otimizando, assim, a sua produtividade. Afinal, eles saberão exatamente o que fazer para chegar ao resultado final.

Com o passar do tempo, até os problemas serão resolvidos pelo seu time, pois eles estarão preparados para isso!

Faça um controle rigoroso

Já imaginou uma empresa anunciar que um produto está à venda, mas, quando o cliente se dirige ao estabelecimento para comprá-lo, o vendedor se dá conta de que ele não está mais em estoque? Pois é, situações como essa são mais comuns do que pensamos!

Por esse motivo, é essencial que você faça um controle rigoroso das suas mercadorias, analisando quais delas são essenciais para o bom funcionamento da empresa, para não ser pego de surpresa.

Fique atento aos orçamentos

Comprar suas mercadorias do primeiro fornecedor que aparecer não é uma boa prática. É importante realizar orçamentos para garantir que, além de adquirir produtos de qualidade, estou atento às finanças do meu negócio.

Suas decisões precisam estar embasadas em dados concretos, sendo assim, procure sempre verificar quais são os valores disponíveis para melhorar a sua gestão de compras.

Saiba negociar

De fato, saber negociar é um fator fundamental na hora de fazer uma gestão de compras eficiente. Por isso, antes de conversar com seus fornecedores, faça uma análise de mercado a fim de verificar se os preços que serão apresentados são mesmo compatíveis com a realidade.

Feito isso, negocie com seus fornecedores: faça orçamentos, compare a qualidade dos produtos e o tempo de entrega etc. Esses fatores são fundamentais para fazer uma negociação positiva para o seu negócio.

Enfim, podemos resumir que, ao fazer uma gestão de compras eficiente, você utilizará os recursos da sua empresa de forma a possibilitar que os investimentos sejam realizados em um momento oportuno, sem prejudicar o seu controle financeiro!

Então, gostou de saber um pouco mais sobre gestão de compras? Agora, aproveite para conferir também quais são os conceitos básicos de gestão que todo empreendedor precisa dominar!

Read More...

Destaque, Finanças e Tributos, Últimas

Fique por dentro das alterações da NFe 4.0

Neste texto serão discutidos alguns pontos que devem ser levados em consideração pelas empresas para facilitar sua adequação à NF-e 4.0

Ao revolucionar a maneira como uma nota fiscal poderia ser emitida, a NF-e quebrou paradigmas do mercado e expandiu a noção de fé pública para um documento digital.

Como a maioria das novidades, com o decorrer do tempo o seu uso mostrou que poderia ser continuamente melhorada. A partir daí foram surgindo novas atualizações e versões dos programas a elas relacionados e com o objetivo de proporcionar uma evolução contínua.
A versão atual usada para emitir os documentos é a 3.0. Porém, agora em 2017 a versão 4.0 já está sendo testada e prevista para ser implantada, e é sobre como se preparar para essa nova variante que trataremos nesse post.

Fique atento às mudanças trazidas pela NF-e 4.0

Saber o que será incluído ou retirado da nova versão é importante para que seus processos também sejam adequados a essa realidade.

É uma conduta necessária pois muitas empresas, visando a dar mais celeridade às suas atividades, não registram determinadas informações em seu sistema, que não são cobradas ou utilizadas no cotidiano, e com o advento de novas obrigações acessórias ou com as modificações de algumas já existentes, elas podem começar a ser exigidas.

Cuidado com os prazos

Embora o trânsito entre as versões seja gradual, deixar de prestar atenção aos prazos pode trazer problemas à empresa. Alguns deles são a impossibilidade de emissão de notas fiscais e impossibilidade de faturar para seus clientes.

Preste atenção na próxima data importante relacionada à NFe 4.0:

  •  Versão anterior (3.0) desativada: 06/11/2017

Seu software já está atualizado?

Verifique se seu programa de emissão está de acordo com o novo padrão de layout.
Informe-se o quanto antes sobre isso. Saber se ele já está totalmente em sintonia com a versão 4.0 da NF-e pode evitar surpresas desagradáveis.

Treinar sua equipe é fundamental

Incentive as pessoas que lidam direta e indiretamente com a NF-e a ler materiais sobre a nova versão, sobre as principais mudanças.
Estimule-as a conhecer cada vez mais sobre a NF-e, já que é um instrumento de seu trabalho. A internet possui muito material disponível sobre o assunto.
Invista em treinamentos. Profissionais bem capacitados são peças chaves para o bom fluxo da rotina de sua empresa.

Quando se conhece muito bem com o que se trabalha fica muito mais fácil lidar com problemas relacionados à emissão de NF-e.

Use a tecnologia em favor de seu negócio

Como a NF-e é emitida em meio virtual é necessário que a empresa disponha de programas específicos. No mercado existem excelentes ferramentas, que além de estarem de acordo com o layout exigido, ainda possuem interface e opções que facilitam o trabalho dos usuários, como por exemplo o NF-e Place., um sistema de emissão e gestão de NF-e completo. Contempla aspectos relacionados à segurança eletrônica, organização dos documentos emitidos, integração de dados, acessibilidade, validação e documentação.

Com ele, o trabalho cotidiano com a NF-e fica muito mais fácil e seguro. É continuamente modernizado com as mudanças legais, e sempre busca alternativas para melhorar a experiência do usuário.

Comece a mudança agora

Já estamos no meio da fase de transição entre as versões, postergar ações pode representar perda de tempo, lembre-se que algumas questões podem ser resolvidas de imediato, principalmente quando dependem da burocracia de órgãos públicos.

Faça um check list dos procedimentos que devem ser adotados para que seu empreendimento se adéque à versão 4.0 da NF-e. Leve em consideração essas sugestões mas não as tenha como limite.

Envolva toda a equipe que trabalha com emissão de documentos fiscais nesse processo. Isso ajudará a identificar com antecedência entraves eventuais, ela também poderá contribuir com a proposição de ideias que resultem em melhoria nas suas rotinas.

A NF-e revolucionou a maneira como empresas emitem documentos fiscais e, por estar intrinsecamente ligada à tecnologia, é importante que empresas busquem alternativas que acompanhe não apenas mudanças surgidas em decorrência de obrigações legais, mas também aquelas que impliquem em um maior controle e facilidade para os processos de sua empresa, como por exemplo o NF-e Place. É papel do gestor acompanhar essas mudanças e garantir que sejam implementadas no cotidiano de seu empreendimento. Não agir desta forma pode render sérios prejuízos.

Se você quer entender mais sobre NFe 4.0, aproveite a oportunidade de participar do evento gratuito promovido pela NFE do Brasil. Será um café da manhã, onde você poderá tirar todas as suas dúvidas sobre o assunto com especialistas.

Data: 22/11/17
Horário: 9h às 12h
Local: Av Paulista, 807 17º andar  – Cerqueira César – São Paulo – SP
Participe e saiba tudo sobre a nova versão da Nota Fiscal Eletrônica 4.0
As vagas são limitadas. Faça sua inscrição gratuitamente pelo link https://goo.gl/HRNo9x

Read More...

Destaque, Tecnologia

Tron leva ensino de Robótica para escolas

Empresa de educação tecnológica desenvolveu metodologia que impacta diretamente no rendimento escolar, conforme a faixa etária. Mais do que TI, os robôs ensinam empreendedorismo e liderança.

A empresa Tron Ensino de Robótica Educativa está inovando a forma de ensinar a crianças e adolescentes conceitos como matemática, física, lógica, empreendedorismo e liderança. Por meio da metodologia Tron Educação, que já é desenvolvida em Colégios particulares do estado do Piauí, a empresa introduz o mundo dos robôs dentro da sala de aula. O pacote pode ser comprado por meio do telefone 11 3304-3200 e ao ser implantado, oferece desde a metodologia de ensino até as peças para a montagem dos robôs e mesmo o projeto do laboratório que as escolar podem montar.

De acordo com um dos fundadores da empresa e idealizador da metodologia, professor Gildário Lima, a metodologia impacta diretamente no desenvolvimento do aluno, conforme a sua faixa etária. Por isso, foram desenvolvidas duas modalidades: a robótica passiva e a ativa. “No modo passivo, indicado para crianças de dois a sete anos, a tecnologia é utilizada como instrumento de mediação para o ensino. Isto quer dizer que o robô passa a ser um catalisador do aprendizado e se adere às disciplinas existentes, o que gera a maximização da concentração, torna lúdico o processo de ensino, promove a inserção tecnológica e a socialização do aluno”, explica.

Na Robótica Ativa, destinada a estudantes entre sete e vinte e um anos, Gildário explica que os alunos são desenvolvedores que resolvem problemas e desafios cotidianos, com foco em aplicações. “Eles aprendem a criar robôs e soluções tecnológicas”, explica. O fundador também ressalta que os impactos advindos, além daqueles alcançados na robótica passiva, são o auxílio ao ensino de outras áreas de conhecimento, potencialização das aptidões e reconhecimento das habilidades cognitivas superiores.

A metodologia

O método Tron é baseado em um sistema de ensino transversal que correlaciona a inserção tecnológica com outras áreas do conhecimento e prevê o uso da motivação, problematização, teoria e prática, todas no mesmo cenário temporal, o que gera uma relação que amplia os níveis de concentração, absorção, compreensão e materialização do ensino.

A metodologia se destaca e diferencia de qualquer outra solução no mercado por ter fundamentação psicopedagógica (fruto de pesquisas acadêmicas realizadas em Universidade), por utilizar tecnologia open source (arduino), por se alinhar ao movimento maker (que tem como base o compartilhamento de experiências) e, especialmente, por produzir uma robótica profissional, onde os jovens podem desenvolver soluções capazes de desaguar na criação de produtos e na formatação de startups.

 

Franquias

Além de vender os cursos, o professor Gildário Lima explica que a Tron também atuará com modelo de franquias, que podem gerar resultados positivos, uma vez que a Tron Educação oferece solução de Robótica para crianças e adultos com idade entre dois e vinte e um anos. “Trata-se de um amplo público que pode ser alcançado. Isso amplia as possibilidades de negócio para o franqueado”, explica. O executivo ressalta, ainda, que na implantação do projeto, a Tron Educação dá todo o suporte técnico, com treinamento dos professores e pedagogos e também na montagem dos laboratórios, o que proporciona maior garantia de sucesso do empreendimento.

No que se refere a equipamentos, a empresa entrega os seguintes materiais para a escola conveniada: roteiros e apostilas para alunos e professores, laboratório com mobília, computadores, ferramentas, impressora 3D, insumos eletrônicos e kits de robôs destinados às aulas práticas. Além disso, a Franquia fornece treinamento para docentes, plataforma de auxílio com vídeos, materiais de leitura e apoio para a preparação das aulas, além de um repositório de experimentos.

 

 

Read More...

Destaque, Empreendedorismo, Tecnologia, Últimas

A nova companhia da empresária que atraiu Bill Gates

A empresária que atraiu a atenção de Bill Gates e, mais tarde, trouxe ao país o braço de tecnologia do influente grupo Tata, da Índia, agora quer vender hambúrguer. Não, Cristina Boner não vai abrir uma rede de fast-food, mas o tradicional sanduíche é um símbolo adequado para o que ela quer vender com sua nova empresa, batizada de Globalweb Cloud.

A companhia, que é a mais nova unidade da Globalweb Corp, fundada por Cristina, segue o conceito identificado por uma sigla ainda pouco conhecida – CSB, de “cloud service brokerage” ou gestão multinuvem. Muitas empresas e governos estão migrando para o modelo da nuvem, pelo qual softwares e dados não precisam ficar nos computadores dos usuários. Em vez disso, são armazenados em centros de dados e acessados via internet. O cliente paga pelo que usa e pode consumir mais ou menos capacidade de processamento sem ter de gastar com equipamentos e softwares adicionais.

O problema, diz Cristina, é que o número de fornecedores na nuvem cresceu tanto que ficou difícil para os clientes saber de quem comprar ou prever quanto será gasto, tamanha a pulverização do mercado. “Os provedores, agora, vão ter de se encontrar ao redor do ‘broker’, que reúne todos eles em um ponto único”, afirma.

A Globalweb Cloud fechou acordos com quase uma dezena de fornecedores das diversas camadas da nuvem, desde infraestrutura até requisitos de segurança. A lista inclui marcas como Amazon, Jam Cracker, Huawei, Panda e IBM. Como quem vai à lanchonete, o cliente escolhe o que quer. Pode pedir um hambúrguer com todos os ingredientes disponíveis ou versões mais leves, escolhendo o que vai levar. “É como adicionar queijo ou tirar o pão”, compara Cristina. Para facilitar, a empresa adotou outra abordagem típica do fast-food – os “combos”. São três combinações prontas: a mais barata custa R$ 6,6 mil por mês; a mais cara, R$ 42,3 mil.

“O mercado adora comprar, mas odeia comprar de maneira errada”, diz a empresária. No portal da Globalweb Cloud, os clientes vão poder comparar preços dos fornecedores e obter orçamentos automáticos, acrescentando e retirando itens até chegar à proposta que considerarem ideal.

A expectativa é que, em dois anos, a Globalweb Cloud atinja um faturamento de R$ 200 milhões. É uma receita expressiva para a Globalweb Corp, que reúne mais cinco empresas de software, serviços e nuvem. Em abril, o grupo encerrou o ano fiscal com faturamento de R$ 280 milhões. No exercício anterior, a receita chegou a R$ 490 milhões. A diferença, segundo a empresa, se deve à venda da Compusoftware, subsidiária de software que foi comprada em janeiro de 2016 pela russa Softline.

A Globalweb Cloud vai contar com um centro de dados localizado em um condomínio erguido em Santana do Parnaíba (SP) pela Odata, controlada pelo grupo Pátria Investimentos. O complexo conta com 12 salas de tecnologia, uma das quais será usada pela Globalweb Cloud. Enquanto a Odata fornece a infraestrutura, como energia e ar-condicionado, cada “condômino” cuida dos serviços a seus próprios clientes. “É como se tivéssemos alugado apartamento em um prédio”, diz a empresária.

Cristina ficou conhecida em 1996, quando mandou um avião sobrevoar Brasília, onde morava à época, com a faixa “Welcome, Bill Gates”. A frase era assinada em nome da TBA, a revendedora de softwares que ela criara quatro anos antes. Foi o estratagema escolhido para chamar a atenção do cofundador da Microsoft, depois que os pedidos para um encontro foram negados. Deu certo. Do prédio do Banco do Brasil, onde participava de uma reunião, Gates viu a faixa e mandou chamar a empresária. Tempos depois, a TBA chegou a ser premiada como a maior revenda de produtos da Microsoft fora dos Estados Unidos.

Em 2002, Cristina formou uma joint venture com o grupo Tata, um dos maiores da Índia, para criar softwares sob medida para empresas no Brasil. A aliança durou cinco anos até a participação da empresária brasileira ser comprada pelos indianos.

A ideia de criar um “shopping” virtual de fornecedores de tecnologia não é nova na Globalweb. Em 2013, a companhia pôs no ar o site Vouclicar.com, com abordagem parecida e foco em empresas de pequeno porte. Em setembro do ano passado, no entanto, Cristina chegou à conclusão de que era hora de mudar. “A conta não fechava”, diz, sobre o descompasso entre investimento e receita. O diagnóstico foi que o valor médio das compras era pequeno demais para sustentar o negócio em longo prazo. “Erramos onde muito outros erraram, em acreditar que a maior parte dos recursos viria da base da pirâmide”, afirma a empresária.

Com a Globalweb Cloud, o plano é expandir a atuação para companhias maiores, com mais capacidade de investimento. A ideia é aproveitar as transformações que essas empresas estão tendo de fazer para reduzir custos, como automatizar processos e investir em robôs de atendimento aos clientes. O site Vouclicar.com continuará em funcionamento. “Sistemas muito novos estão surgindo e vão tomar a dianteira”, diz Cristina. “O mercado já está procurando antecipar qual será a demanda no futuro.”


Matéria Publicada originalmente no Valor Econômico 21 de Setembro de 2017 – Por João Luiz Rosa | De São Paulo – Silvia Zamboni/Valor

Read More...

Destaque, Tecnologia, Últimas

Globalweb e ServiceNow fecham parceria estratégica para serviços de Cloud

Acordo visa o gerenciamento de ambientes multicloud, formação e capacitação de técnicos para suporte nos processos de pré e pós-vendas para clientes públicos e privados

A Globalweb, grupo empresarial de Tecnologia da Informação, anuncia a parceria estratégica com a ServiceNow, empresa que oferece soluções em nuvem usando o modelo de software como serviço. O acordo, que acaba de ser firmado, faz parte da estratégia da Globalweb na criação de uma nova área: a Globalweb Cloud. Além de levar aos clientes soluções únicas para gerenciamento de ambientes multicloud, a parceria entre ServiceNow e Globalweb terá um importante papel na formação e capacitação de técnicos para força de pré e pós-vendas com clientes públicos e privados. A estratégia da Globalweb é oferecer todos os pilares necessários para garantir que as empresas possam adotar a nuvem com segurança e agilidade.

A ServiceNow será um dos nossos principais e mais importantes parceiros em Cloud. A parceria reforça a nossa estratégia de migração para nuvem e será providencial para o crescimento dos nossos negócios no Brasil. Atualmente, temos mais de 3 mil clientes no segmento de cloud e diversos do mercado corporate que já iniciaram a migração para a nuvem. A Globalweb quer se tornar referência seja em nuvens públicas, privadas e híbridas e, para isso, conta com toda a expertise de ITSM que a Service Now acumula em todo o mundo”, afirma Marco Zanini, Diretor Comercial da Globalweb Corp. Para viabilizar a parceria, a Globalweb investiu este ano cerca de R$ 2 milhões no acordo , incluindo marketing, treinamento de equipes, construção de laboratórios e certificações.

Para Marcus Santos, Diretor de Canais da ServiceNow no Brasil, essa parceria vai ao encontro da estratégia da empresa, fortalecendo seu ecossistema de canais e buscando expandir o alcance, sobretudo no setor público. “Ao nos aliarmos a empresas como a Globalweb, ficamos mais aptos a ampliar nossa base de clientes e levar nossas soluções para novos segmentos”, enfatiza.

 

Sobre a Globalweb Corp: grupo empresarial de Tecnologia da Informação, com expertise em fábrica de software, criptografia e segurança de dados, outsourcing, infraestrutura de TI e Cloud Computing. A Globalweb Corp tem parceria com os maiores fabricantes mundiais de tecnologia, além de uma equipe de P&D responsável pela criação de softwares e hardwares inovadores, como o HSM Dinamo. A companhia tem sede em São Paulo e possui escritórios no Rio de Janeiro (RJ), Brasília (DF) e Belo Horizonte (MG): www.globalweb.com.br/globalweb.

 

Sobre a ServiceNow:

As empresas atualmente precisam se mover cada vez mais rápido, mas a falta de processos e ferramentas legadas ainda são os grandes obstáculos. Diariamente, milhares de pedidos de clientes, incidentes de TI e solicitações de RH circulam entre pessoas, dispositivos e departamentos de maneira desestruturada. Com as soluções da ServiceNow, as empresas podem substituir esses padrões ultrapassados de trabalho por fluxos mais ágeis e inteligentes. Assim, solicitações podem ser feitas por meio de uma única plataforma na nuvem. Cada departamento que recebe essas requisições pode atribuir, priorizar, colaborar, encontrar a causa raiz dos problemas e obter insights em tempo real para determinar a solução. Os funcionários passam a trabalhar melhor e a empresa percebe os benefícios ao adotar essas mudanças.

Presente no Brasil desde 2012, a empresa tem mais de 4 mil clientes ao redor do mundo. Para saber mais, acesse: www.servicenow.com/br.

Read More...

Destaque, Tecnologia

A importância da tecnologia para uma equipe de alta performance

Talvez você, assim como eu, já tenha lido uma infinidade de artigos, livros, textos e biscoitos da sorte falando sobre alta performance profissional e tecnologia. Espero que não esteja cansado do tema, pois ele é importante 100% do tempo! Ainda mais dentro de uma pequena equipe que funciona quase como uma família.

Recursos tecnológicos existem aos montes. E eu já sabia disso (mais ou menos) quando comecei minha carreira de empreendedor. E o primeiro choque que tive ao começar a contratar foi a forma como esses recursos afetavam a produtividade geral. Para mais e para menos. Hoje eu posso garantir, tecnologia bem utilizada traz alta performance em qualquer setor.

E como já é de costume, aqui está mais uma lista de dicas do CLICO pra vocês. Hoje, vou falar sobre como o uso da tecnologia pode ser importante para melhorar o desempenho da sua pequena equipe. Confira:

1. Coordenação eficiente de esforços

Em empresas menores, há uma crença geral de que o bom gestor é capaz de observar todo o negócio de uma só vez e disparar suas ordens facilmente. Isso não é uma total mentira, mas também não é uma total verdade.

Quando eu estava liderando minha primeira equipe como chefe, logo vi que perdia uns 5 a 10 minutos de trabalho para cada ordem que eu precisava transmitir. No fim do dia, eu era um garoto de recado em meio período com um salário superfaturado.

Quando comecei a usar um simples aplicativo de agenda, nada muito sofisticado, comecei a poupar em média 1 ou 2 horas por dia. Quando migrei para um sistema de gestão mais robusto, consegui gerenciar toda a minha equipe de uma só vez.

2. Redução de tarefas repetitivas

Repetição é chato, muito chato. Mesmo que uma pessoa apresente alta performance em uma tarefa mecânica, logo ela vai ficar entediada e cair de nível.

Felizmente, máquinas não se importam com isso. Elas podem continuar indefinidamente, trocando números em planilhas, fazendo contas e disparando e-mails automáticos.

O resultado disso? Mais espaço para o que o cérebro humano precisa: criatividade, pensamento estratégico e desafios.

Enquanto seu computador é muito bom em processar mais rapidamente tudo o que você já sabe, seu cérebro pode criar novas informações e ir além dos padrões já estabelecidos.

3. Menor tempo de adaptação e rotatividade

Outro problema sério com essas tarefas mais chatas é que um novo colaborador sempre demora a aprendê-las. Pense em quantos anos você levou para começar a fazer coisas simples com alta performance, como amarrar sapatos e digitar.

O princípio é o mesmo: quanto menos coisas for necessário aprender logo de cara, menos tempo um novo colega levará para se integrar ao trabalho da equipe.

E não vamos nos esquecer dos vários funcionários que acabam saindo logo depois que chegam apenas por não se adaptarem a certos serviços e ferramentas. Você pode ter demitido o próximo Bill Gates sem nem saber, só porque ele não consegue copiar sua agenda para uma planilha em menos de 10 minutos.

Essa maior rotatividade, além de “demitir o Bill Gates”, também gera maiores custos para a empresa, que precisa selecionar currículos, anunciar vagas, fazer ligações, realizar treinamentos e toda aquela dor de cabeça inicial de integração do novato na equipe. Resumindo: rotatividade é ruim, mas a tecnologia reduz a rotatividade!

E então, gostou das minhas dicas? Se quiser continuar recebendo os conteúdos, assine a newsletter do blog!

Read More...