Gerindo a ansiedade e a vontade de “adiantar” o trabalho

Gerindo a ansiedade e a vontade de “adiantar” o trabalho

Existe outra forma, mais livre e tranquila, de trabalhar. Para isso, você precisa mudar a forma como encara sua rotina

Sábado de manhã, você está em sua casa. Seu smartphone apita: acaba de chegar o e-mail de um cliente, pedindo uma proposta para um novo serviço na segunda-feira. “Bom, são apenas alguns minutinhos, a semana que vem estará cheia de coisas para fazer, melhor eu dedicar meia hora do meu dia, hoje, em vez de deixar tudo para fazer depois”.

E então, empreendedor, já passou por essa situação?

Dificilmente não.

Você acha isso certo?

Provavelmente, sim.

Mas não é.

Aprendi uma coisa muito importante neste meu último ano como empreendedor: adiantar trabalho não funciona. Não significa que você terá mais horas livres depois, ou que, ao menos, terá menos trabalho para fazer. ” Adiantar”  implica em fazer algo fora de hora, antes do tempo adequado, que vai custar mais horas do que você havia dedicado ao trabalho. Simples assim.

Eu vivi assim durante boa parte do primeiro ano de vida de minha empresa. Ficava nessa toada louca, me sentia extremamente ansioso. Tinha taquicardia, minha respiração ficava ofegante e a sensação de desespero acompanhava toda a produção. Quase nunca consegui cumprir minhas metas – porque elas eram extremamente ousadas – mas quando conseguia, uma euforia me invadia e meu coração acelerava ainda mais, assim como minha respiração ficava ainda mais ofegante. Credo. Não era nada, nada gostoso.

Sapeando pela internet, encontrei umas informações sobre transtorno de ansiedade. Segundo os autores Sadock e Sadock (2007), os transtornos de ansiedade compõem um dos grupos mais comuns de doenças psiquiátricas e comprometem o desempenho em atividades cotidianas, além de demandar mais idas ao hospital e a outros serviços de saúde. Ninguém aguenta tanta adrenalina, afinal.

Ou seja: quanto mais ansiedade, mais vontade de fazer mais do que se pode, menor é a qualidade e desempenho de seu trabalho.

Para conseguir passar por isso, defini alguns “nãos” em minha vida.

1. Não vou fazer da hora-extra uma rotina;

2.Não me comprometerei com mais trabalho do que posso entregar;

3. Não me autoenganarei, achando que posso fazer algo que não posso;

4. Não vou usar fins de semana e horário além do expediente para deixar as coisas preparadas para o dia seguinte.

Tem, também, um definitivo sim: Sim, eu sei que o trabalho não vai acabar – o que é muito bom –  e, por isso, deixarei coisas a fazer, com tranquilidade, sobre minha mesa. Afinal, a vida não se resume ao meu escritório.

E então, o que você acha? Como lida com isso? Comente este post!

Mateus Pinto
Mateus Pinto

Publicitário com 20 anos de experiência. Mateus é diretor de arte da Globalweb corp e Co-fundador da agência de Marketing Digital Neoside.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine nossa newsletter

Aprenda mais recebendo em primeira mão conteúdos que vão te ajudar a empreender usando os melhores padrões do mercado. Receba no seu e-mail o que você precisa saber para Planejar, Abrir, Gerenciar e Crescer!