Finanças e Tributos

Perguntas a se fazer antes de buscar um sócio investidor

 

Perguntas a se fazer antes de buscar um sócio investidor

Relação não se limite a injeção de dinheiro. Alguns pontos importantes, como metas e relacionamento, devem ser considerados

Há algum tempo, falei por aqui sobre os investidores-anjo como uma estratégia diferenciada de obter recursos financeiros e profissionalizar a operação de uma empresa. Agora que você já sabe do que se trata, é hora de partir para um questionamento importante antes de tomar a decisão de buscar um sócio investidor: no seu caso, vale a pena?

Com base em pesquisa e experiências de amigos, listei aqui algumas das perguntas que você deve se fazer antes de partir para a estratégia.

Dono do dinheiro?

O investidor não vai lhe dar o dinheiro para que você faça o que quiser com ele. Vocês, juntos, vão avaliar os objetivos de negócio, traçar metas, desenhar estratégias e definir qual o valor que deve suportar esse crescimento e onde ele será investido.

Você quer continuar com o controle?

É preciso ficar claro, antes de qualquer coisa, que ao abrir sua empresa para um investidor, seja ele qual for, você abre as portas para um sócio. As decisões não serão mais exclusivamente suas. Por um lado, isso é bom, pois energiza a companhia com visões diferentes, que podem agregar bastante na estratégia. Para os mais controladores, é um baita desafio.

Você confia nele?

É imprescindível ter em mente que o relacionamento entre as partes deve ser bom. A relação com investidor não é meramente financeiro: para que as decisões sejam tomadas da melhor forma, o convívio pacífico é essencial.

As condições são justas?

Fique muito atento se o seu futuro sócio impuser condições fora do padrão para garantir o negócio, como bens reais (casas e carros), ou quiser participações muito elevadas do negócio, como fatias acima de 50%.

As metas são conflitantes?

Qual o objetivo que você enxerga para sua empresa? É o mesmo que o investidor vislumbra? Se não, é possível alinhar essas metas? Muito mais do que o dono do cheque, o investidor é aquele que vai entrar na operação de seu negócio e ajudar a guia-lo por um caminho. Se o seu objetivo com a parceria é, somente, uma injeção de capital, ter um investidor não é a melhor escolha.

E então, ficou mais claro? Você também tem visões sobre o tema? Compartilhe com a gente!

 

Tem uma pergunta? o #ClicoResponde

One comment

  1. 1

    Tenho uma mineração, arrumei um sócio investidor para bancário as despezas, um outro sócio pra entrar com as máquinas e ei com a mineração. A difiram foi feita do seguinte modo.. dos 100%da empresa , 30 % para os trabalhadores e 70 %dividido em 3 partes. Até aí tudo bem e ambas partes de acordo! A pergunta é o seguinte no início tem os gastos do investidor até o negocio começar a andar.. e semanalmente vai tirar uma média que irá cobrir as despezas. Mas o sócio investidor teve um gasto inicial e já quer descontar imediatamente o gasto e só pode distribuir as outras 2 parte depois de liquidar seu prejuízo inicial. Isso é normal, é dessa forma que deve seguir uma sociedade dessa modalidade?

Deixe uma resposta

Você pode gostar