Como trocar o emprego CLT por PJ e ter o seu negócio próprio

Como trocar o emprego CLT por PJ e ter o seu negócio próprio

Quando se é CLT, trocar de emprego é uma coisa muito simples: pede-se demissão de uma companhia e se começa a trabalhar em outra. Do lado do empregado, basta apenas estar com os documentos pessoais em dia para não ter problemas com os trâmites burocráticos.

Contudo, quando trocamos o chapéu e passamos de funcionários a empreendedores, é preciso ampliar um pouco o foco de visão sobre papelada, tributos e cuidados com documentação.

Sabemos que esta é a parte mais chata do trabalho. A parte legal é ter a ideia e sonhar com tudo dando certo. A parte trabalhosa é conseguir clientes, fornecedores e uma sede bacana. E a parte quase que insuportável é esta: os cuidados burocráticos, vias, formulários, carimbos, assinaturas… entendemos sua dor. Deixaremos o texto o mais indolor possível, ok?

Então, respire fundo, certifique-se de que a TV está desligada e que você não vai se distrair e leia as próximas linhas. E boa sorte – e paciência.

Definindo a atividade

Em primeiro lugar, é preciso definir qual a atividade da empresa. Com base na função que você vai exercer será possível identificar qual o melhor modelo de registro da companhia – e, também, em qual regime tributário ela será inserida.

Entre as opções mais comuns de perfil da empresa estão o modelo de microempresa (ME), empresa de pequeno porte (EPP), sociedade por responsabilidade limitada (LTDA) e sociedade anônima (SA). Há ainda o microempreendedor individual (MEI), que restringe o faturamento anual em até R$ 60 mil, mas é mais simples de criar (pode ser feito pela internet) e mais barato de manter.

Entre outras providências, é importante, ainda, ter registro na prefeitura ou na administração regional da cidade onde vai funcionar, no Estado, na Receita Federal e na Previdência Social.

Um contador é peça imprescindível para te ajudar com tudo isso. Mesmo.

Avaliação de sócios

Você terá sócios? Se sim, outro detalhe importante: verifique se no CPF dele, ou no seu próprio, existe algum tipo de restrição. As pendências terão de ser resolvidas para que a nova empresa comece livre de problemas.

Um contrato entre os sócios também deve ser firmado. Tirando o fator emocional que envolve o compartilhamento de responsabilidades e dinheiro, é especialmente necessário ter direitos e deveres plenamente acordados antes de iniciar as atividades.

 Instalações e autorização

Quando avaliamos as instalações, é necessário verificar tanto com a prefeitura quanto com o condomínio se a atividade que você exerce no ambiente é permitida. Cada caso é um caso, por isso é preciso se informar corretamente para evitar dor de cabeça no futuro.

Sem receita de bolo!

Quanta coisa, não é mesmo? Realmente, não tem uma receita de bolo. A forma como você vai atuar e o que pretende oferecer vão ditar os passos que você deverá seguir ao longo da jornada.

Caso tenha alguma dúvida específica, mande para a gente nos comentários! Tentaremos te ajudar.

 

[button link=”https://guiaempreendedor.com/duvidas-de-como-gerir-sua-empresa-mande-para-nos-que-o-clicoresponde/” target=”blank” color=”8BC751″ icon=”fa-check” size=”large” tooltip=”Tire sua dúvida”]Tem uma pergunta? o #ClicoResponde[/button]

Clico

O Guia empreendedor é o ecossistema de empreendedorismo que tem como principal proposta ajudar os empreendedores a darem o próximo passo na criação de um negócio de sucesso. Ajudamos nas resoluções dos problemas rotineiros que todo empreendedor tem na gestão do seu negócio através de Conhecimento, Networking e Tecnologia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine nossa newsletter

Aprenda mais recebendo em primeira mão conteúdos que vão te ajudar a empreender usando os melhores padrões do mercado. Receba no seu e-mail o que você precisa saber para Planejar, Abrir, Gerenciar e Crescer!